segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Vergonha sem fim: Oriente Médio

Faça "paz" ou faça guerra, testemunhamos o massacre do povo palestino. Nos períodos de "paz", o massacre é principalmente pelo racionamento de água; nos períodos de guerra, o massacre é pelo fogo indiscriminado das bombas israelenses. Já escrevi aqui (Como Israel destrói mais: com bombas ou com o racionamento de água?):
A região palestina conta com 3 principais fontes de água – o Rio Jordão (aquele de Jesus e João Batista, que vai do Mar Morto ao Galileu), o Aqüífero (espécie de rio subterrâneo) da Montanha (na chamada “Margem Ocidental”) e o Aqüífero Litorâneo (na Faixa de Gaza). Antes da famosa Guerra dos Seis Dias, em 1967, Israel só detinha 3% da Bacia do Rio Jordão, apesar de já ter construído uma complexa infraestrutura de canais, estações, reservatórios e aquedutos que desviava 75% do Jordão para o usufruto israelense. Depois de 1967, Israel passou a ter controle total. A Síria e a Jordânia ainda têm direito a algum uso, mas os palestinos são proibidos de beber das águas do Rio Jordão. Têm que se virar com os aqüíferos e seus caminhões-pipa. Mesmo assim, apenas 19% da água estão disponíveis para os palestinos... O grupo de direitos humanos chamado “Se eles soubessem” (If They Knew) descreve mais problemas: “Na Margem Ocidental (região a oeste do Rio Jordão, encampada por Israel), cerca de 50 poços e 200 cisternas foram destruídos ou separados de seus proprietários pelo Muro construído na área – que também precisou da destruição de outros 25 poços e cisternas, além de 35 km de aquedutos somente na sua construção. Ao considerar Gaza e Margem Ocidental como duas coisas independentes, Israel também proíbe que os palestinos gazeanos utilizem a água do Aqüífero da Montanha e tratem de sobreviver com o Aqüífero Litorâneo e seus 90% de água não-potável! Pior: os palestinos não têm outra escolha a não ser beber essa água não-potável, que se degrada ainda mais. Seguindo as cotas israelenses, os palestinos da Margem Ocidental têm direito a 70 litros de água por pessoa/dia e os da Faixa de Gaza têm direito a apenas 13 litros, enquanto o mínimo humanamente concebível é de 100 litros, de acordo com a Organização Mundial de Saúde! As conseqüências são óbvias. Desespero, doenças, destruição lenta e sofrida de todo um povo. É como se estivessem planejando uma espécie de “lavagem étnica”.
Quanto ao atual bombardeio, prefiro transcrever o texto de Robert Fisk, colunista do Independent, que o Globo publica hoje:
Líderes mentem e civis morrem
Estamos tão acostumados a ver carnificinas no Oriente Médio que não ligamos mais.
Não está claro quantos dos mortos em Gaza são civis, mas a resposta do governo Bush, sem mencionar a pusilânime reação do premier britânico Gordon Brown, reafirma para os árabes o que eles sabem há décadas: o Ocidente está sempre do lado de Israel.
Como de costume, o banho de sangue foi culpa dos árabes que, como todos sabem, só entendem o uso da força.
Desde 1948, ouvimos dos israelenses e dos nacionalistas árabes e depois árabes muçulmanos a lengalenga de que Jerusalém será “libertada”. E sempre Bush pai e depois o filho, Bill Clinton, Tony Blair ou Gordon Brown chamam os dois lados e pedem moderação, como se ambos tivessem caças F-18, tanques Merkava e artilharia pesada. Os foguetes caseiros do Hamas mataram apenas 20 israelenses em oito anos. Mas num único dia a Força Aérea de Israel matou quase 300 palestinos, e apenas como parte de uma operação.
Sim, o Hamas provocou a ira de Israel, assim como Israel provocou a do Hamas. E o que isso quer dizer? O Hamas lança foguetes em Israel e Israel joga bombas no Hamas. Entendeu? Pedimos pela segurança de Israel, mas ignoramos o desproporcional massacre realizado por Israel.
No fim de semana tivemos 298 palestinos mortos para um israelense. Em 2006, a proporção era de 10 libaneses mortos para cada israelense que perdia a vida. Este fim de semana foi marcado pela inflação do número de mortos. O maior desde a guerra de 1973? Desde a Guerra dos Seis Dias, de 1967? De Suez, em 1956? Da Guerra de Independência de 1948? É um obsceno e nojento jogo que Ehud Barak, o ministro da Defesa de Israel, inconscientemente admitiu quando falou este fim de semana na Fox: “Nossa intenção é mudar totalmente as regras do jogo”, disse Barak.
Vários dos mortos do fim de semana pareciam ser do Hamas.
Mas o que isso resolverá? O Hamas dirá: “Oh, esse ataque foi impressionante e nós reconheceremos o Estado de Israel, entraremos na linha, renunciaremos às armas e rezaremos para sermos levados prisioneiros e trancafiados indefinidamente, e daremos apoio a um novo ‘processo de paz’ promovido pelos EUA no Oriente Médio!” Será que é isso mesmo que os israelenses e os americanos pensam que o Hamas fará? Vamos relembrar o cinismo do Hamas, o cinismo de todos os grupos armados islâmicos.
A necessidade de produzir mártires muçulmanos é crucial para eles e Israel os está criando.
A lição que Israel pensa estar dando não é a lição que o Hamas está aprendendo. O Hamas precisa da violência para enfatizar a opressão dos palestinos e conta com Israel para providenciar isso. Basta lançar uns foguetes em Israel e Israel lhes faz esse favor.
E nem sequer uma lamentação de Tony Blair, o enviado de paz para o Oriente Médio que nunca esteve em Gaza na atual encarnação. Nem uma palavra. Mas nós ouvimos o habitual discurso de Israel. O general Yaakov Amidror, ex-diretor da “divisão de pesquisa e avaliação” do Exército, anunciou que “nenhum país no mundo permitiria que seus cidadãos fossem feitos de alvos para foguetes sem tomar medidas vigorosas para defendê-los”. Exato.
Mas quando o Exército Republicano Irlandês (IRA) lançava foguetes na Irlanda do Norte, quando suas guerrilhas vinham da Irlanda para atacar delegacias de polícia e protestantes, o Reino Unido usou a Força Aérea para bombardear a república irlandesa? A Força Aérea britânica por acaso atacou igrejas e delegacias e matou de uma só vez 300 pessoas para ensinar à Irlanda uma lição? Não, o Reino Unido não fez isso. Não fez porque o mundo veria um ataque assim como uma ação criminosa. Não queríamos nos rebaixar ao nível do IRA.
Sim, Israel tem o direito à segurança. Mas esses banhos de sangue não lhe trarão segurança. Nem desde 1948 trouxeram algum tipo de proteção para Israel. Os israelenses bombardearam o Líbano milhares de vezes desde 1975 e isso não eliminou o terrorismo. Então o que foi o fim de semana? Os israelenses ameaçam fazer ataques por terra. O Hamas espera por outra batalha. Os políticos do Ocidente encolhem-se covardemente. E em algum lugar do Oriente numa caverna? Num porão? Numa montanha? Bem, em algum lugar, um muito conhecido homem de turbante sorri.

Fatos marcantes no JB

A coluna "Negócios & Propaganda", de Claudia Penteado, publicada no JB de hoje, perguntou aos profissionais do mercado de comunicação quais os fatos que marcaram 2008. Para quem não tem acesso ao JB, publico pelo menos a minha resposta:
Na minha opinião, 3 acontecimentos são os mais marcantes:
* a vitória de Barack Obama, significando uma nova postura do país mais poderoso diante da realidade mundial (aliás, quero dizer que, no dia 17 de janeiro de 2007, postei no meu Blog: "Pode ser que ele não consiga derrotar a Senadora Hillary Clinton, mas está demonstrando que vai dar trabalho. Tanto seu vídeo de lançamento quanto o de sua biografia são muito bem feitos, com iluminação densa, bonita e surpreendentemente eficiente para um vídeo politico");
* a descoberta das reservas de petróleo do Brasil, que contribuirão muito para um reposicionamento do Brasil no cenário internacional;
* o fracasso da política neoliberal, que, no momento, empurra o mundo ladeira abaixo, mas que, no final, deverá resultar em um mundo mais fortalecido, com políticas sociais mais eficazes e desenvolvimento consistente.

domingo, 28 de dezembro de 2008

A notícia mais engraçada de 2008: "Crise tira FMI do buraco"

Esse meu final de noite realmente foi uma comédia. Depois de rever "A Dança dos Vampiros", do Polanski, passei os olhos no noticiário e encontrei essa notícia no Plantão Globo. Divido o humor com vocês:
Crise tira FMI do buraco
A crise financeira está sendo recebida com indisfarçável - ainda que publicamente contido - entusiasmo de pelo menos uma instituição multilateral e seus 2.600 funcionários: o Fundo Monetário Internacional (FMI). Graças à crise,o Fundo saiu do buraco. Ao realizar dias atrás uma revisão de suas próprias contas, os economistas da casa notaram com satisfação que o FMI - que tinha projetado um déficit pelo menos até 2011 - acaba de sair do vermelho. Em vez de um rombo de US$ 294 milhões, que havia sido estimado em abril passado - início do ano fiscal de 2009 do Fundo - a perspectiva agora é de que o período seja fechado com um lucro (renda líquida) de pelo menos US$ 11 milhões. Ele poderá ser ainda maior caso a crise financeira se agrave, revela reportagem do correspondente do Globo em Washington, José Meirelles Passos, publicada pelo jornal na edição desta segunda-feira.
As dificuldades causadas pela crise vêm obrigando os países a recorrer aos cofres da instituição, que se mantém graças aos juros cobrados por seus empréstimos. E até que a crise começasse a se aprofundar eles eram muito pequenos. Em meados de outubro passado, o Fundo - que dispõe de US$ 250 bilhões para emprestar - tinha apenas US$ 11,4 bilhões em mãos de alguns países, gerando juros. Isso não rendia o suficiente para bancar as suas próprias despesas, como salários, manutenção de sua sede e custos de viagem de seus técnicos.
O cenário começou a mudar para o FMI logo no início de novembro. No dia 5, a Ucrânia solicitou US$ 16,4 bilhões. No dia seguinte, a Hungria levou US$ 15 bilhões. No fim do mês, a Islândia obteve US$ 2,1 bilhões e o Paquistão requisitou US$ 7,6 bilhões. Pouco antes do Natal foram aprovados mais três empréstimos: US$ 800 milhões para El Salvador, US$ 2,4 bilhões para a Letônia e US$ 100 milhões para o Quirguistão.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

A democracia participativa eletrônica de Obama

No Globo de hoje, Julita Lembruber, diretora do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, da Universidade Candido Mendes e professora visitante da Harvard Law School, escreve sobre a grande mobilização que a equipe de Obama continua fazendo. Texto completo:
O nome do jogo de Obama
Depois de acompanhar a extraordinária mobilização cívica, principalmente nas últimas semanas da campanha de Barack Obama, continuo a me surpreender com a competência com que sua equipe usa a internet para manter vivo o entusiasmo dos eleitores.
Alguns políticos já utilizaram bem a internet no passado, aqui nos Estados Unidos, mas ninguém conseguiu a proeza de Obama, que criou um exército de voluntários através do uso eficaz deste meio. A questão, agora, é não desiludir essa multidão, estimulando a participação no governo de variadas formas. Pensa-se na criação de um website que possibilite acompanhar o que o governo faz, até mesmo votando contra ou a favor de determinada decisão que o futuro presidente possa tomar, ou sugerindo soluções para tais ou quais problemas.
O nome do jogo é “democracia participativa”. Obama prometeu transparência absoluta em sua administração, e a equipe aposta na criatividade do uso da internet para envolver os cidadãos e torná-los atores no, também prometido, processo de mudança.
Nas duas últimas semanas, novas mensagens inundaram os computadores daqueles que ajudaram a transformar a campanha de Obama no maior fenômeno da história política americana, convocando-os a organizar em suas casas ou comparecer a um dos eventos “A mudança está chegando”. E as mensagens personalizadas, assinadas por David Plouffe, responsável geral pela vitoriosa campanha, esclareciam que nos dias 13 e 14 de dezembro apoiadores de Obama estariam se reunindo em todo o país para refletir sobre o resultado das eleições e planejar os próximos passos do trabalho voluntário.
Os interessados em ser anfitriões podiam encontrar, com apenas um clique, todas as informações necessárias para organizar tais eventos. Havia orientações minuciosas para antes, durante e após as reuniões: desde como inscrever sua reunião na internet (para que futuros participantes pudessem se registrar on-line), a como organizar o material e os temas a serem discutidos. Recomendavase o debate das prioridades para cada grupo, nos níveis nacional e local, e das formas de organização dos cidadãos para atingir seus objetivos.
Pois bem, ao longo do final de semana de 13 e 14 de dezembro, centenas de encontros aconteceram, com a participação de milhares de pessoas. Estive em dois deles. O entusiasmo das discussões e a crença de que “juntos podemos mudar” dominou as reuniões.
Debateu-se de tudo. Desde os problemas mais imediatos dos bairros de cada um e as possíveis soluções, até como comprometer seus representantes nas assembléias legislativas locais e no Congresso Nacional com a agenda de Obama e cobrar do futuro presidente a implementação de suas promessas, principalmente na área da assistência à saúde, à educação e ao desenvolvimento de energias alternativas.
Eram grupos pequenos, uma média de 20 a 30 pessoas, homens e mulheres, jovens e idosos, brancos e negros, gente que se envolvia, pela primeira vez, numa atividade política mais estruturada e outros que já haviam trabalhado ao longo dos meses que antecederam as eleições. Todos apostando na possibilidade de contribuir com a administração Obama, mas, sobretudo, querendo aproveitar o momento para construir um novo estilo de participação cidadã na sua comunidade e no seu bairro.
O resultado das discussões vai ser encaminhado aos organizadores da campanha e, se esta etapa tiver o sucesso do movimento que elegeu Barack Obama, definitivamente uma nova forma de participação cívica estará sendo gestada. Quem sabe não aprendemos um pouco com tudo isso?

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Os 50 Todo-Poderosos da Newsweek

A revista Newsweek lançou a lista dos que considera as 50 personalidades mais poderosas do mundo. Barack Obama em primeiro lugar é apenas óbvio. Mas três outras posições me chamaram atenção. Sarkozy em terceiro lugar, ultrapassando Gordon Brown. Ou seja, a Inglaterra de Tony Blair definitivamente ficou pra trás. O 18º lugar para Lula também me surpreendeu. Demonstra o altíssimo conceito que seu governo conquistou no cenário internacional. É longe o melhor colocado dos dois únicos latinoamericanos da lista (o outro, em 45º lugar, é o Mexicano Carlos Slim Helú, o segundo homem mais rico do mundo). E também me surpreendeu o 30º lugar, conquistado por David Axelrod. Ele é apresentado como amigo do futuro presidente americano, mas foi como estrategista da campanha vitoriosíssima de Obama que ele ganhou respeito nos quatro cantos do mundo. Veja a lista completa:
1: Barack Obama
2: Hu Jintao
3: Nicolas Sarkozy
4-5-6: Economic Triumvirate (4. Ben Bernanke 5. Jean-Claude Trichet 6. Masaaki Shirakawa)
7: Gordon Brown
8: Angela Merkel
9: Vladimir Putin
10: Abdullah bin Abdulaziz Al-Saud
11: Ayatollah Ali Khamenei
12: Kim Jong Il
13-14: The Clintons (Hillary e Bill)
15: Timothy Geithner
16: Gen. David Petraeus
17: Sonia Gandhi
18: Luiz Inácio Lula da Silva
19: Warren Buffett
20: Gen. Ashfaq Parvez Kayani
21: Nuri al-Maliki
22-23: The Philanthropists (Bill and Melinda Gates)
24: Nancy Pelosi
25: Khalifa bin Zayed Al Nahyan
26: Mike Duke
27: Rahm Emanuel
28: Eric Schmidt
29: Jamie Dimon
30-31: Friends of Barack (David Axelrod and Valerie Jarrett)
32: Dominique Strauss-Kahn
33: Rex Tillerson
34: Steve Jobs
35: John Lasseter
36: Michael Bloomberg
37: Pope Benedict XVI
38: Katsuaki Watanabe
39: Rupert Murdoch
40: Jeff Bezos
41: Shahrukh Khan
42: Osama bin Laden
43: Hassan Nasrallah
44: Dr. Margaret Chan
45: Carlos Slim Helú
46: The Dalai Lama
47: Oprah Winfrey
48: Amr Khaled
49: E. A. Adeboye
50: Jim Rogers

domingo, 21 de dezembro de 2008

César Maia dá nota 4 para sua atual gestão

Boa entrevista hoje, na Folha, que reproduzo na íntegra:
De saída, Cesar Maia afirma que tem desempenho melhor que de Lacerda
Prefeito mais longevo do Rio dá nota 4 ao seu terceiro mandato, apóia Serra para presidente e tem como opção futura dar aula na Espanha à espera de candidatura ao Senado ou ao governo do Estado
Mário Magalhães, sucursal do Rio
Se a vida é sonho, e a vida de Cesar Epitácio Maia amalgamou-se a um pragmatismo proverbial, nem nos seus sonhos o prefeito da cidade do Rio de Janeiro se liberta das decisões e dos despachos que consomem as 19 horas diárias em que permanece acordado.
Ele conta que no ano passado desatou, enquanto dormia, o nó que o apoquentava: o reajuste salarial de engenheiros e arquitetos do município. "Acordei com o decreto pronto na cabeça", recorda. Durante o sono, equações matemáticas são encaradas -e solucionadas-, diz.
Na madrugada de uma quarta-feira do começo de dezembro, o prefeito que mais tempo governou a antiga capital do país sonhou com a medida que tomara na véspera, de desligar à noite os pardais, aparelhos eletrônicos que fiscalizam a velocidade dos automóveis.
"Potencializei no sonho uma reação negativa, costume dos últimos meses, daquilo que eu estava fazendo", disse horas depois à Folha, na sede administrativa da prefeitura -o Piranhão, como os cariocas alcunharam o edifício erguido em uma antiga zona de meretrício.
O sonho não decorria de delírio persecutório. Aplausos aos seus atos rarearam à medida que se acercou do fim do seu mandato, o terceiro, no arremate do ciclo de 12 anos de gestão (1993-1996; 2001-2008).
São 16 anos, se somado o quadriênio de Luiz Paulo Conde (1997-2000), o desconhecido ex-secretário que Cesar Maia ungiu sucessor, no que o lugar-comum designa "eleger um poste". Invenção veio a romper com inventor, mas na essência estilo e equipe administrativa se mantiveram.
Nessas quase duas décadas, Cesar -como o prefeito é chamado, assim como Itamar Franco é Itamar, e não Franco- tocou obras como a Linha Amarela (via que une as zonas norte e oeste) e o estádio Engenhão. Comandou projetos como o Rio-Cidade, que remodelou grandes áreas, e o Favela-Bairro, modelo internacional.
Chegou a ser apontado como vocação inequívoca para o Executivo, catedrático do marketing político e postulante promissor à Presidência.
Na despedida, contudo, assemelha-se à construção que no futuro deve ser associada a ele como o Sambódromo é ao governador Leonel Brizola (1922-2004): acumulam-se apupos à Cidade da Música, que Cesar compara ao mausoléu indiano Taj Mahal e cujos detratores condenam como monumento ao desperdício (custo de ao menos R$ 518 milhões).
Na segunda quinzena de outubro, meros 22% dos moradores do Rio consultados pelo Datafolha aprovavam sua gestão (avaliações ótimo e bom). Ao fim do primeiro mandato, eram 52%. Do segundo, 61%.
O político que alardeia jamais ter apoiado perdedor em pleito local viu sua candidata, Solange Amaral (DEM), definhar em quinto lugar, aquém dos 4% dos votos. Ele fugiu de campanha na zona sul, temeroso da aversão contra si na área mais rica da cidade, onde a classe média pulula. O eleito foi Eduardo Paes (PMDB), outra cria sua que o abandonou.
Cesar aposta que algum dia as análises retrospectivas lhe serão generosas. Julga ter sido melhor prefeito que Carlos Lacerda (1914-77), o governador da Guanabara (antiga denominação do município do Rio) na primeira metade da década de 1960, ainda hoje evocado como governante inspirado.
O que provocou, nas suas palavras, o "desgaste de imagem"? Para um político que dá duro até em sonho, a busca pela resposta se tornou obsessiva.
Vaias
Enquanto arrumava cerca de 300 caixas com papéis que coleciona desde 1968, ano em que foi preso no congresso da União Nacional dos Estudantes, o prefeito matutou sobre o que saiu errado.
Como ele anota, contratempos e tropeços não lhe faltaram antes, como um temporal digno de romance de García Márquez (1996), uma epidemia de dengue (2002; outra sobreviria em 2008) e a intervenção federal na saúde (2005).
Nos estertores de 1993, 9% o aprovavam. Cesar, porém, lograva a volta por cima. De 2007 para cá, para cima se consolidou a flecha da reprovação.
Sua conclusão: "O Pan-Americano foi um sucesso para a cidade. Do ponto de vista da ação do governo, foi o elemento de desintegração da imagem".
O prefeito inventaria: quando a candidatura do Rio venceu, os Jogos previstos eram modestos; no meio do caminho, o Comitê Olímpico Brasileiro sugeriu grandiloqüência, com a ambição de sediar a Olimpíada; o Estado gastou pouco, e a União entrou tarde na operação; a prefeitura, "que tem capacidade de investimentos com recursos próprios de R$ 700 milhões por ano, em dois anos desembolsou R$ 1 bilhão" com o Pan.
O dinheiro que faltou para a fatura oriunda da competição foi subtraído de outras frentes. "Tive que derrubar as despesas", afirma Cesar. A conservação da cidade piorou.
"Perdemos qualidade, o que permitiu que a crítica ao governo, injusta, fosse absolutamente certa. A imagem [ruim] estava construída, lastreada em razões efetivas." Por que, então, injustiça? "Deviam ter me dado uma carência."
Tabela da prefeitura mostra que, enquanto o crescimento real das receitas bateu 8,2% no período de um ano encerrado em outubro, nos mesmos 12 meses as despesas despencaram -era dinheiro para saldar compromissos do Pan.
O prefeito lembra elogios das autoridades desportivas ao evento: "Estou pensando que fiz um gol, corro para a galera, a galera vai me abraçar. Quando chego à galera, ela está vaiando. Mas é uma questão que se dilui no tempo com rapidez".
Nota 8
A dimensão histórica de Cesar Maia e suas perspectivas estão ligadas à percepção sobre seu desempenho como prefeito. Ele concede 10 "com louvor" ao seu primeiro governo, 10 ao segundo e 4 ao terceiro ("sofrível, porque quebrado pelo Pan") -em outubro, no Datafolha, os eleitores lhe deram nota 4,3. Na média, 8.
Como Carlos Lacerda, Cesar iniciou no comunismo e se moveu para a direita. No DEM, ex-PFL, o prefeito se tem como "social-democrata-liberal". Do antigo governador, diz guardar amor e ódio. "Amo o governador e odeio o político."
Cesar premia com um 10 "com louvor" o desempenho de Lacerda na administração. Em infra-estrutura urbana, 10 "sem louvor". Como "estrategista do desenvolvimento econômico", nota zero.
"Ele imaginou, uma falha gravíssima, que o fundamental seria o relançamento industrial do Rio." A cidade, acredita, deveria se voltar para os serviços.
Incluindo outros itens, Cesar cravou 6 de média para Lacerda, em cujo governo (1960-1965) nasceram o aterro do Flamengo e a adutora do Guandu, decisiva para o abastecimento de água. Foi mesmo melhor que Lacerda? "Não tenha dúvida." No balanço sincero da história, considera Pedro Ernesto, prefeito nos anos 1930, o melhor de todos.
Além do seu desempenho como gestor, Lacerda ficou na memória como um entusiasta de golpes -da Intentona Comunista de 1935 ao movimento militar de 1964, passando pela morte de Getúlio Vargas em 1954. Ignora-se o que sobreviverá do empenho de Cesar para aparecer na mídia a qualquer preço na sua primeira gestão. Ele cumprimentou os ossos de um dinossauro em museu, prometeu os Beatles em Copacabana, decretou luto pela morte de um macaco, estendeu o horário de verão. Assegura que não pediu sorvete em açougue, apenas indagou onde poderia comprar um. Ao notar o mal-entendido, deu corda.
"Não contrariei a notícia que me interessava, aquele negócio de maluco. [...] Comecei a construir fatos. Eu fazia combinação com um fotógrafo. Eu dizia: "Vou te arranjar uma fotografia aqui. Você se prepara que vai ser aquela para arrebentar". Aí tinha um favelado tomando banho, eu jogava um balde de água na cabeça dele."
Tudo porque descobrira que "ninguém sabia quem era o prefeito". Eram os factóides, "explodindo as imagens para produzir noticiário". Sem cerimônia, Cesar contaria que espalhou gente pelas ruas para disseminar o boato de que um político adversário desistira de uma eleição. Ou que chutava números para impressionar.
Nem tudo mudou. Em sua newsletter, o prefeito trombeteou que seus estudos projetavam o mínimo de 15% de votos para Solange. Na verdade, revela hoje, esse era o teto. "Entrei na campanha sabendo que a gente tinha perdido."
Passado e futuro
Com a derrota, Cesar não sabe o que será o porvir. Diz que pode passar dois anos dando aulas em Madri sobre administração pública. Em 2010, sair para senador ou governador. Em 2012, tentar o quarto mandato ou, cenário sombrio, lançar-se para vereador.
Recomeçar por baixo talvez fosse uma tragédia para um passional, não para um pragmático. Cesar militou na luta armada contra a ditadura militar, foi preso, exilado, retornou e em 1983 tornou-se secretário da Fazenda de Brizola. Foi um dos muitos dissidentes do brizolismo que prosperaram. Agora, encarna a árvore cujos galhos se rebelam e superam o tronco original -como no caso de Paes. Está com José Serra (PSDB) para presidente.
Indagado sobre seu sumiço das ruas, confirma que sai menos, porque tem 63 anos, e não os 47 da estréia como prefeito.
Provocado sobre um possível desencanto com a administração, responde por 1 hora e 15 minutos, em entrevista de quatro horas, e nega a impressão.
Sua solidão pessoal é metáfora do isolamento político. Da solidão, ele não reclama: "Não posso, porque gosto. Gosto de estar em casa com a minha mulher. Nunca fui a boate. Raramente vou jantar fora. O meu hábito me dá prazer".
Noutro dia, Mariangeles Maia, a chilena com quem ele se casou no exílio, zapeava a TV. Ao ver Paulinho da Viola, o prefeito pediu para ela parar. "Vamos ver se ele fala mal de mim" -no passado, o compositor protestou contra o cachê de um show de Réveillon. Cesar se reconheceu: "Perguntam ao Paulinho: "Você vive do passado?" Paulinho responde: "Não, o passado vive em mim". Aquela resposta foi muito forte".

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Aviso aos navegantes: não existe nenhum Gadelha como contribuinte da Fundação de Bill Clinton

São 2.992 páginas, com mais de 200.000 contribuintes. O valor total é entre 75 e 165 milhões de dólares. Trata-se da lista dos doadores da William (Bill) J. Clinton Foundation. Alguns nomes mais conhecidos: Arábia Saudita, Austrália, República Dominicana (entre 10 e 25 milhões de dólares), Brunei, Kwait, Omã e Qatar (mais de 1 milhão de dólares cada). Outro Bill famoso, o Gates, também está na faixa dos 10 a 25 milhões de dólares como doador. Tudo bem, cada um doa o que quiser. Mas isso pode ser um problema para a futura Secretária de Estado Hillary Clinton. Todo mundo está de olho na lista e o Washington Post (que publica a lista completa) está pedindo a todos os leitores que enviem comentários sobre os doadores que conhecem. Eles publicarão no seu blog investigativo – doa a quem doer... (Leia mais aqui.)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Dê sua sapatada em Bush

Tente fazer o que o jornalista iraquiano Muntazer alZaidi não conseguiu: dê sua sapatada em Bush. É o novo joguinho circulando na internet, BUSH SHOE THROWING GAME, que você pode acessar aqui.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Homem do Ano da Time: a escolha mais óbvia

A própria revista Time reconhece: "É improvável que vocês estejam surpresos por ver o rosto de Obama na capa". O nome de Barack Obama era pule de 10 como Personalidadedo Ano. Surpreendente é saber que a alopradinha Sarah Palin estava na disputa. Henry Paulson ( Secretário do Tesouro dos EUA) e Nicolas Sarkozy também estavam. Last but not the least, Zhang Yimou, o responsável pela cerimônia de abertura dos Jogos de Pequim. Com todo o respeito ao trabalho de Zhang Yimou, o resultado foi justo.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Dick Morris e o cinismo americano diante da crise

Dick Morris foi consultor político, primeiro dos Republicanos, depois dos Clinton. Durante muito tempo fez a cabeça de Bill Clinton como presidente, depois caiu em desgraça. Fez campanha aberta contra Hillary. Na sua coluna do dia 15, "The Impending Collapse of our Enemies" (mais ou menos, a queda iminente dos nossos inimigos), ele começa declarando que a "Depressão (...) nos deixa, digamos. deprimidos. Mas existem boas notícias vinda do mundo inteiro. Nossos inimigos estão entrando em colapso graças à queda dos preços do gás e do petróleo". Ele cita como inimigos a OPEP, Irã, Chávez, Putin e o terrorismo islâmico. Ele não se refere nem uma única vez à tragédia mundial causada pela política maléfica do seu Presidente Bush. Se eles estão conseguindo enfraquecer os inimigos deles, o resto do mundo que se dane - é esse o pensamento de Dick Morris. É a atitude típica de um representante do Império, como diria Chávez. Felizmente, acreditamos que Obama não pensará dessa maneira quando assumir a presidência. Texto completo no blog.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Este Blog apóia a indignação do Movimento Sapato Nele

Karim Kadim / AP A sapatada em Bush não resolve os problemas do país, mas em boa parte lava a alma do povo iraquiano.

sábado, 13 de dezembro de 2008

Lágrimas

Tem uma lenda que diz que todo dia 13 de dezembro chove, porque seriam as "lágrimas" de Santa Luzia (está chovendo aqui). Na verdade devem ser as lágrimas causadas pelo AI-5, o terror instituído pela ditadura militar brasileira, há 40 anos. Naquela época, a redação da revista Veja em São Paulo passou um bom tempo discutindo (na minha baia) sobre como reagir. Sabiamente (digamos assim) decidiu-se por greve de um dia - o que, em uma revista semanal, funciona como feriado...

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Datafolha revela o óbvio: polarização entre Lula e Serra para 2010

A não ser que ocorram tsunamis - o que não é impossível -, a disputa para Presidente em 2010 está mesmo entre o(a) candidato(a) de Lula e o tucano José Serra. Uma tsunami possível é a candidatura de Aécio, seja pelo PSDB, seja pelo PMDB. Há também a possibilidade da tsunami nordestina através de Ciro, inviabilizando a opção Dilma. Heloísa Helena, no momento, ameaça com um terceiro lugar que poderia decidir o segundo turno, mas o mais provável é que até lá o seu discurso perca espaço. O certo de tudo isso é que não adianta o Serra dizer que a disputa "não pode ser um Fla X Flu" - porque já está assim.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

César Maia demonstrou, ontem, porque Lula bateu recorde de aprovação no Datafolha de hoje.

No seu Ex-Blog de ontem, César Maia citou uma pesquisa do Instituto GPP no Rio onde foi feita a seguinte pergunta:
Com essa crise e perspectiva de aumento da inflação e desemprego, você acha melhor – votar num candidato do Governo Federal, votar num candidato da Oposição, ou não sabe o que dizer?
O resultado foi:
  • Votar num candidato do Governo Federal – 40,5%
  • Votar num candidato da Oposição – 32,3%
  • Não sabe – 27,2%.
A conclusão é óbvia. Os governos anteriores ao de Lula estão todos associados a “oposição”. E todos estão associados também a péssimas administrações, desde Sarney até Fernando Henrique. Assim, diante da necessidade de se escolher um governo com capacidade de enfrentar os problemas gerados pela crise internacional, qual a opção lógica: governos associados ao fracasso ou um governo que está fazendo tudo certo até agora? O governo do desastrado Plano Cruzado ou o governo com desenvolvimento consistente? O governo da falsa caça aos marajás ou o governo da Polícia Federal? O governo do fusquinha ou o governo do Bolsa Família? O governo de quem acabou com a inflação – mas que praticamente faliu o Brasil e aumentou o desemprego – ou o governo da estabilidade econômica e social, dos novos empregos, do crescimento acelerado, que fala a linguagem do povo e ainda assim soube conquistar o respeito internacional? Lamento informar, mas o Governo Lula é a resposta natural. E nessa pesquisa do GPP a Oposição só teve índice tão alto porque o povo sabe que Lula não é candidato – mas já deixa claro que prefere um candidato indicado por ele. Assim, é incompreensível a irritação de César Maia, no seu Ex-Blog de hoje, diante dos 70% de Ótimo+Bom que o Governo Lula conquistou no Datafolha (vale lembrar que no Nordeste, que tem cerca de 27% do eleitorado, o índice atingiu 81% - clique no gráfico acima para ampliar). Não adianta acusar de populismo ou dizer que Lula, diante da crise mundial, “mantém uma coreografia glacial e mistura má fé, ao criar otimismo com ilusão da boa fé da população”. A constatação de que o governo está fazendo a coisa certa vem de todas as partes do mundo. Agora mesmo a Reuters distribui notícia de que estudo da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) sinalizou forte desaceleração das economias globais por conta da crise financeira, e o Brasil foi único país que teve a sua perspectiva de ciclo de crescimento apresentada apenas como "declínio". Será que isso não basta? Até quando a Oposição vai ficar sem se encontrar, batendo cabeça, tentando descobrir uma falha mínima de Lula para tentar conquistar um pouco do eleitorado? Cadê o marketing correto? Está difícil, Oposição, cada vez mais difícil...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Brasil de Lula ganha destaque pelo jogo de cintura

Leia trecho da reportagem de ontem do jornal espanhol La Vanguardia:
Brasil: ´jogo de cintura´
El gigante latinoamericano trata de potenciar sus recursos ante la caída de las materias primas
Nicolás Torrent
Una de las sorpresas del G-20 - quizá la única-fue ver al presidente brasileño Luiz Inácio Lula da Silva a la derecha de George Bush en la foto de familia. Todo un símbolo de la posición que ha conseguido este país en la economía mundial. Y es que de los llamados BRIC - acrónimo para referirse a los emergentes Brasil, Rusia, India y China-,el país latinoamericano destaca por su combinación de libre mercado, políticas sociales y sostenibilidad. En brasileño, este modus operandi que a veces parece funambulismo, se llama jogo de cintura, en referencia a los movimientos de cadera de sus estrellas del fútbol. "Uno se sorprende todos los días de las oportunidades que ofrece Brasil". Las palabras no son de Lula, ni siquiera de un empresario brasileño. No, esta frase es de Ángel Agallano, director ejecutivo del Banco Santander en Brasil. El grupo de Emilio Botín acaba de fusionarse con una de las mayores entidades brasileñas, el Banco Real y en los tres próximos años, invertirá más de 920 millones de euros en este país para una ganancia prevista de unos 7.000 millones de euros.

É oficial: os Estados Unidos estão há um ano em recessão.

O New York Times está divulgando o que todo mundo já sabia: os Estados Unidos estão mesmo em recessão, como acaba de declarar o Departamento Nacional de Pesquisa Econômica (apartidário). Ele esclarece que "recessão é um declínio significativo na atividade econômica durante mais do que uns poucos meses, normalmente visível em produção, emprego, ganho real e outros indicadores" e que a atual recessão americana teve início em dezembro do ano passado. Eles acrescentam também uma definição bisonha de recessão (ou será que estou lendo mal?): “A recession begins when the economy reaches a peak of activity and ends when the economy reaches its trough.” Leiam a reportagem completa clicando aqui.

domingo, 30 de novembro de 2008

Empréstimo Caixa-Petrobras: o Globo dá aula de não-jornalismo

Quando alguém quer fazer o anti-jornalismo, certamente procura ocultar informações, usar informações falsas, etc. O que O Globo fez ontem e hoje sobre o empréstimo da Caixa para a Petrobras não teve nada disso. Foi tudo claramente errado, sem aparentar tentativas de ocultar informações. Vejam os títulos da primeira página e da página interna: “CEF não ouviu auditores no socorro jumbo à Petrobras” e “Operação fora do padrão”, respectivamente. Ainda na primeira página, podemos ler: “Contrariando a praxe, a direção da Caixa Econômica Federal (CEF) não consultou seus auditores para liberar os R$ 2 bilhões para a Petrobras em fins de outubro”. No subtítulo da parte interna também lemos: “CEF não consultou auditores antes de conceder crédito de R$ 2 bi à Petrobras, contrariando a praxe”. Mas logo no início da reportagem traz uma declaração do presidente da Associação Nacional dos Auditores Internos do banco (Audicaixa), Antonio Augusto de Miranda e Souza: “Devido ao tamanho e ao ineditismo do empréstimo de R$ 2 bilhões feito pela Caixa Econômica Federal (CEF) à Petrobras, os auditores da instituição financeira avaliam que deveriam ter sido consultados previamente para verificar os termos e as condições do negócio”. Ora, aqui começa a contradição da reportagem. Não foi dito que a auditoria seria uma praxe. Ao contrário, Antonio Augusto de Miranda e Souza declarou que, “devido ao tamanho e ao ineditismo (grifo noso), ele considerava que seria um procedimento “desejável e prudente” que daria “mais conforto à direção da Caixa”. O presidente da Audicaixa chega a afirmar que a consulta não é obrigatória. O desejo de dar uma notícia negativa para o Governo Federal foi mais uma vez mais forte do que exercer a boa prática do jornalismo. O Globo produziu em sua primeira página uma notícia que merecia menos do que uma coluna inteira. Como, aliás, fez hoje, em mais uma falha do bom jornalismo. Todos sabem que um erro de primeira página mereceria uma correção de primeira página. Mas o Globo escondeu em menos de uma coluna a correção feita pela Caixa: “auditores não precisam ser consultados”. Simplesmente porque “a função deles é auditar as operações já realizadas”. Tudo tão óbvio, não é mesmo? Então por que toda a presepada? Essa reportagem do Globo deveria fazer parte de todos os cursos de jornalismo do país. É um desserviço que pode acabar servindo a um bom jornalismo.

sábado, 29 de novembro de 2008

Tristes Tropiques: Lévy-Strauss fez 100 anos

Quando comecei a estudar filosofia, o estruturalismo era uma febre e Lévy-Strauss era o seu papa. Na minha turma, Chaim Samuel Katz era quem mais falava do assunto. Confesso que o estruturalismo me fascinava, mas ao mesmo tempo eu torcia o nariz. Às voltas um pouco com a resistência à ditaduara, minhas leituras voltavam-se mais para Parmênides, Heráclito, Pitágoras, entre os antigos, e para Sartre, Camus, Husserl, Heidegger, entre os nomes que mais se destacavam no século passado, sem esquecer, claro, de Marx. Curiosamente, foi me aproximando da poesia concreta que senti mais intimidade com o estruturalismo, Lévy-Strauss. Isso tudo para dizer que me surpreendeu como passou em brancas nuvens os 100 anos de nascimento de Levy-Strauss, ontem, dia 28. Em homenagem, a primeira parte do filme-entrevista de Pierre Beuchot (as outras 6 partes, facilmente encontráveis no YouTube) e a referência no Estrangeiro de Caetano Veloso. Leia: Uol, Estadão, AFP, NYT.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Machado de Assis: ABL ironiza o Senado

O Senado Federal inaugurou dia 25 de novembro um exposição em homenagem a Machado de Assis, dentro da programação de eventos pelo centenário de sua morte (29 de setembro). Nada mais justo. Machado de Assis é um nome para sempre. Nada mais justo também que se buscasse na ABL – Academia Brasileira de Letras o material dessa exposição, que contribuiu com fotos e reproduções de suas obras. Está tudo exposto, até o dia 16 de dezembro, “na Praça das Abelhas, entre o Auditório Petrônio Portela e o Túnel do Tempo”, como bem informa o site do Senado. Tudo certo, se algumas das peças, selecionadas aparentemente dentro do tema "político", não fossem no mínimo irônicas, como pode ser comprovado nas fotos. Em “Teoria do Medalhão”, Machado de Assis recomenda o que trazer para “discursos de sobremesa, felicitação, ou agradecimento”. Será que é isso que se faz no Senado? Em outro painel, encontramos esse pensamento de Machado de Assis: "Em política, a primeira coisa que se perde é a liberdade". Pergunta que não quer calar: será que os senadores - principalmente o acadêmico e Senador José Sarney - concordam?

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

César Maia e Keynes

Gostei também desse texto de César Maia, mas quero fazer comentários e certos reparos (em itálico-negrito):
LÁ SE FORAM OS NEOLIBERAIS E MONETARISTAS PELO MESMO RALO! E ESTÃO LEVANDO O GOVERNO LULA JUNTO!
1. A crise afogou primeiro os neoliberais, defensores de um mercado máximo e de um estado mínimo. Nunca os estados intervieram tanto, estatizaram tanto, maximizaram tanto suas ações. (Corretíssimo, claro.)
2. Agora com os 2 trilhões de dólares liberados pelos bancos centrais para compensar a quebradeira e a depressão possível, afogam-se também os monetaristas. Ou com esta emissão mundial cavalar a inflação volta intensamente, ou a tese básica dos monetaristas se foi pelo ralo também. (Não acredito que virá uma inflação intensa, nem que isso destrói a tese básica dos monetaristas; talvez um economista possa explicar melhor, mas essa emissão cavalar me parece que vai preencher o "vácuo" de um dinheiro que de fato não existia, era miragem.)
3. As medidas que vão sendo adotadas nem keynesianas são, pois não são direcionadas, são apenas reativas num jogo de bafo-bafo, atrás dos buracos que vão surgindo. (Ninguém em sã consciência pode "acusar" o bushianismo de keynesiano, mas ninguém pode negar que é a inspiração keynesiana que está por trás das ações mundiais no momento.)
4. No Brasil, quando numa reunião ministerial se adotam duas medidas sôfregas e risíveis, é porque o governo Lula está mais perdido que pingüim arrastado pelas correntes. Fazer propaganda para dar ânimo e estimular o consumo, sem comunicar a verdade, lembra Goebells. E dizer que o PAC é o gasto compensatório à crise, é o mesmo que dizer que o governo já conhecia a crise ano passado quando lançou os projetos relativos. Certamente não será um gasto compensatório, mesmo que ganhe agilidade. (Aqui, é puro embate político. Claro que é importante nesse momento a utilização de diversas formas de comunicação para estimular o consumo. E também é claro que o Governo Lula não está exatamente escondendo a verdade. Ocorre que já existem informações desanimadoras em excesso e estimulá-las não ajuda em nada, significaria simplesmente insistir no desânimo. Quanto ao PAC, é óbvio que ele não surgiu em função da crise, já que foi lançado há dois anos. Mas trata-se certamente de uma política de investimentos públicos que pode funcionar, sim, como gasto compensatório à crise.)

César Maia diante da própria imagem

Muito bom o texto de César Maia sobre avaliação de governos. Informações atuais, inclusive com alguns dados de pesquisa do Instituto GPP na cidade do Rio de Janeiro. Faz boas comparações entre as atuais administrações municipal e estadual. César Maia dá até mesmo a entender que sua imagem não está boa e conclui afirmando que "para sustentar ou para reverter (a avaliação do dirigente), a assessoria que mais importa não é a de publicidade de governo, nem a de imprensa, mas a assessoria de imagem. Essa é que vale de verdade". Tudo correto. Só não dá para entender por que ele não consegue se sair bem com a própria imagem. Texto completo:
AVALIAÇÃO DE GOVERNOS? OU AVALIAÇÃO DE PERSONAGENS?
1. É evidente que sempre que um governo vive uma situação excepcionalmente favorável, sua avaliação será sempre positiva. Coisas como o Plano Cruzado, enquanto durou, ou Plano Real, até as crises asiática e russa, são exemplos. Ou quando por coincidência governam em períodos extremamente favoráveis, como JK (além dos investimentos), que governou no ápice do Plano Marshall, ou mesmo Lula agora, empurrado pela onda internacional que começa a quebrar.
2. Ao contrário, em momentos de grave crise, os governos são arrastados por elas, mesmo que não tenham responsabilidade, e então suas avaliações desabam. Os mega-temporais no Rio-Capital em fevereiro de 1996 caíram na cabeça dos governos e governantes. Mas o personagem que vinha num processo ascendente de percepção, o prefeito, passadas as chuvas, a sua curva ascendente prosseguiu. Um ano antes era o mais mal avaliado do país. Semanas depois, o inverso. O governo era o mesmo e os feitos idem. Caíram os tapumes? Ou caiu a máscara negativa?
3. Numa situação de normalidade, o peso maior na avaliação dos governos é a avaliação dos personagens e suas circunstâncias. A capacidade comunicacional dos personagens, nessas circunstâncias, certamente ajuda ou atrapalha. Quando o personagem ganha a opinião pública, não há mídia que resista: é água ladeira abaixo, fogo ladeira acima. Quando não, se trava, especialmente no Brasil, uma batalha entre os gastos de publicidade dos governos e a mídia espontânea. Nesse caso raramente os gastos de publicidade resolvem.
4. Semana passada, o GPP, em pesquisa no Rio-Capital fez a mesma pergunta de avaliação dos serviços municipais e estaduais, educação, saúde, transportes, etc... as avaliações foram milimetricamente as mesmas, como se fossem a mesma coisa. Quando os serviços são percebidos de forma distinta e geridos por empresas com marca própria, as avaliações podem diferir muito (como os casos da Comlurb +60% e da Cedae +30%). Mas isso não significa a colagem a este ou aquele governo.
5. Na pergunta geral -quais são os serviços e investimentos melhores- os realizados pelo estado ou pela prefeitura, houve outro empate: prefeitura +37%, e estado +35%. Mas na avaliação dos personagens o governador obteve melhor resultado que o prefeito. Olhando os últimos meses, não pela aprovação, que são muito próximas, mas pela rejeição que se distinguem. Na verdade, na avaliação dos personagens, não são os governos e seus feitos que estão sendo avaliados, mas estes mesmos personagens, que por uma ou outra razão são percebidos como tais de forma diferente neste momento.
6. Importante sublinhar, e há exemplos para todos os gostos, tempos e situações, que as avaliações dos governos personificados ou, o que dá no mesmo, dos personagens governantes, que a popularidade/impopularidade/avaliações não são nem estáticas nem cumulativas e, portanto a reversão do quadro pode se dar a qualquer momento com fatos novos. O prefeito de Salvador abriu esta campanha -junho/julho- como um dos mais mal avaliados. Mas a campanha corrigiu a percepção sobre o personagem, embora o governo não tenha tido tempo para melhorar. E ele foi um grande vitorioso. Aliás, este fenômeno, as campanhas mudando as avaliações dos personagens, tem sido cada vez mais comum.
7. Uma eleição só avalia os governos nos casos extremos citados no início, para o bem ou para o mal. Nos demais casos, digamos notas de 3 a 7, os avaliados serão os personagens e isso ocorrerá nas circunstâncias da conjuntura, ou das eleições que disputam. Tanto num como em outro caso, para sustentar ou para reverter, a assessoria que mais importa não é a de publicidade de governo, nem a de imprensa, mas a assessoria de imagem. Essa é que vale de verdade.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Camisinha: Coréia do Sul enfrenta a crise na cama

É na cama que o sulcoreano mede o tamanho da crise. Como por lá a educação dos filhos sai muito cara, assim que uma crise econômica aponta no horizonte, a população trata de evitar explosão demográfica e a venda de camisinha cai vertiginosamente. Se a moda pega, daqui a pouco o resto dp mundo vai ficar desabitado. Leia aqui a reportagem de Kim Junghyun para Reuters:
Com economia pior, venda de camisinhas dispara na Coréia do Sul
A desaceleração da economia sul-coreana levou a um aumento das vendas de preservativos, já que mais adultos estão esperando a situação financeira melhorar para ter filhos, disseram varejistas na terça-feira.
A grande rede de lojas de conveniência sul-coreana GS 25 disse que as vendas de camisinhas aumentaram em 19 por cento desde agosto em relação ao mesmo período do ano passado --as vendas aumentaram assim que a moeda e as ações sul-coreanas começaram a se desvalorizar.
"Mais casais planejam adiar a concepção devido à desaceleração econômica", disse a GS Retail, operadora da GS 25, em um comunicado.
As vendas aumentaram mais ainda em novembro, quando o mercado de ações teve sua pior fase em anos, segundo a operadora.
A Coréia do Sul tem a menor taxa de fertilidade do mundo desenvolvido. Especialistas dizem que uma das principais razões para isso é o alto custo da educação no país, que é altamente competitivo.
"As vendas de preservativos geralmente são à prova de recessão e tem pico de venda no Natal e nas festas de fim de ano", disse um representante da loja Condomania à Reuters.

The day after: ponto a favor da Prefeitura do Rio

As chuvas que tomaram conta do Rio, ontem no final do dia, foram impressionantes. Ruas alagadas instantaneamente, caos nos transportes, pessoas indo a pé do trabalho, no Centro, até bairros da Zona Sul. Telejornais e jornais de hoje fizeram a festa, com imagens fortes. De manhã cedo, saí para percorrer algumas ruas, com a expectativa de testemunhar cenas dantescas. Surpresa: ruas limpas, parecia um dia seguinte de uma chuvinha qualquer. A natureza fez sua parte (a maré baixou) e a Prefeitura fez a dela, colocando a Comlurb para funcionar a pleno vapor. Para quem vive um final de festa cheio de críticas, até que César Maia dessa vez se saiu bem.

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Política social tem hora?

Ainda no começo do primeiro mandato de Lula, uma amiga, muito querida, me falou de sua decepção com o governo, achando que o PT era muito complicado, fazia tudo errado. Respondi que concordava que o PT era bem confuso, estava um pouco batendo cabeça. Mas achava isso natural. Para mim, o mais importante era a prioridade que se estava dando à política social. E isso era uma coisa pra valer, não era apenas um slogan ("Tudo pelo social"), como acontecia no Governo Sarney. Era isso que podia reduzir a pobreza, inserir mais consumidores no mercado, dar um dinamismo de novo tipo à economia. Ela ouviu calada, meio desconfiada, mas tenho certeza que hoje ela reconhece o que falei. Lembrei desse acontecimento hoje, lendo esse bom artigo ("A hora e a vez das políticas sociais") de Lena Lavinas e João Sicsú, publicado no Valor Econômico do dia 13, mostrando a grande importância das políticas sociais nesse quadro crítico mundial - que reproduzo abaixo:
A hora e a vez das políticas sociais
Os governos enfrentam e enfrentaram as crises e as dificuldades das instituições financeiras se utilizando de diversos instrumentos. Até o momento, foram bem sucedidos. Os keynesianos aplaudiram as políticas de resgate das instituições e o enfrentamento das dificuldades no âmbito da economia financeira porque sabem da necessidade do sistema financeiro para que haja um bom funcionamento do sistema produtivo. Keynesianos sabem que o sistema financeiro não produz um prego sequer, mas sabem que sem ele nem sequer um prego será produzido. Muitos, entretanto, aplaudiram os governos simplesmente porque ganham quando o setor público privatiza seus ativos ou quando estatiza as dívidas privadas.
O mundo encontra-se numa segunda fase da crise. A crise saiu do âmbito da economia financeira. Já contaminou decisões empresariais de investimento e decisões de gasto por parte dos trabalhadores. O risco é que haja uma parada súbita de fluxos monetários e reais. A política fiscal de gastos deve ser utilizada como estabilizadora da trajetória de crescimento econômico. Quando o setor privado está gastando de forma intensa, o setor público deve reduzir os seus gastos. Quando o setor privado ameaça estancar o seu fluxo de gastos, o setor público deve elevar os seus gastos. Essa formula é velha. Foi ensinada pelo economista que virou fashion: J. M. Keynes. Mas a fórmula keynesiana não se restringe a realizar ou cortar gastos públicos.
A fórmula relaciona quantidade à qualidade do gasto. Terá maior qualidade aquele gasto que tem o maior efeito multiplicador na economia. É considerado um gasto de baixa qualidade aquele gasto que se transforma em renda daqueles que não têm uma alta propensão a gastar aquilo que recebem, porque tem um baixo multiplicador. O investimento em obras públicas contrata vastos contingentes (elevada quantidade) de trabalhadores que gastam tudo o que recebem (alta qualidade). As políticas sociais para Keynes não são políticas que deveriam estar relacionadas com os ciclos econômicos. Elas deveriam estar relacionadas com o objetivo de redução plena das vulnerabilidades sociais.
Entretanto, dadas as evidentes vulnerabilidades da grande parte da população brasileira, a ampliação da cobertura dos programas sociais, assim como o aumento real dos benefícios previdenciários e sociais, cujo valor do salário mínimo é parte integrante, tornam-se nesse momento uma política fiscal de gastos anti-cíclica. Em outras palavras, políticas sociais são indissociáveis de um projeto de desenvolvimento de longo prazo. Contudo, hoje no Brasil, frente à ameaça de uma crise de parada brusca dos fluxos monetários e reais, o aprofundamento das políticas sociais cumprirá o objetivo macroeconômico de curto prazo de auxiliar a manutenção da rota de crescimento, tal como a política de investimentos públicos do PAC. Políticas sociais realizam gastos em volumes consideráveis e realizam um gasto de alta qualidade.
Para evidenciar tal assertiva, simulamos duas dinâmicas diferenciadas de evolução do valor dos rendimentos do trabalho, aposentadorias e pensões e também benefícios assistenciais, a partir dos dados da Pnad 2007. Na primeira simulação, limitamo-nos a um reajuste linear de 12,3% para todos esses rendimentos, índice obtido tomando-se o INPC acumulado no período outubro de 2007 a outubro de 2008, e a inflação futura estimada para 2009 (4,5%). A segunda simulação envolveu variações distintas para cada tipo de rendimento, levando em consideração a proposta do governo de elevar para R$ 464,78 o valor do salário mínimo em fevereiro de 2009, bem como a recente decisão da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado que, ao aprovar substitutivo ao Projeto de Lei n. 58/03, concede às aposentadorias e pensões até o teto previdenciário, reajuste igual ao do salário mínimo.
Assim, corrigimos esses benefícios previdenciários em 17%, combinando o reajuste de 5% de 2008 e o previsto em 2009 para o salário mínimo, acompanhando a decisão da CAS. Demais valores de remuneração do trabalho - diferentes de um salário mínimo - foram reajustados em 14,8% (além de incorporar a inflação acumulada e a prevista, considerou 1,5% de aumento real médio dos salários observado em 2008 e mais 1% para 2009). Os benefícios assistenciais foram corrigidos pelo índice de 12,3%. Porém, dada a importância do crescimento econômico na geração de novos postos de trabalho, estimamos, com base na variação do PIB para 2008 e 2009, a criação de 10,2 milhões de empregos. Destes, perto de 55% seriam formais, com remuneração pelo piso salarial (projeção conservadora posto que 92,1% dos empregos criados no decorrer deste ano estão na faixa de até 3 salários mínimos), enquanto os informais receberiam o valor médio observado em 2007, mas atualizado para 2009, pelo INPC. Na simulação 2, estes empregos foram distribuídos aleatoriamente centenas de vezes entre os desocupados e os trabalhadores precários, até obtermos uma distribuição média.
O paralelo entre a simulação 1 e a simulação 2 demonstrou que preservar a trajetória de recuperação do mínimo e atualizar os benefícios assistenciais e previdenciários tem retornos significativos do ponto de vista do consumo agregado e do bem-estar da população, contribuindo para manter aquecida a atividade econômica. Assim, constatamos que a simulação 2 leva a um aumento importante da renda familiar per capita média nos décimos inferiores da distribuição, exatamente aqueles cuja propensão a consumir é elevadíssima. É factível considerar, apoiados em resultados da POF 2003, que até o sétimo décimo da distribuição tal propensão seja superior a 90%. Ou seja, 70% da população, cerca de 128,8 milhões de indivíduos, terão um aumento real médio de sua renda mensal per capita da ordem de 21%, que vai se transformar em mais consumo. Isso significa R$ 6 bilhões mensais a mais na economia real, ou R$ 72 bilhões ao longo do ano de 2009.
Não bastasse o multiplicador do consumo ser ampliado, haveria uma forte redução da pobreza, pois o percentual de pessoas vivendo abaixo da linha do Bolsa Família cairia de 17%, registrado na simulação 1, para 13,5%, resultado alcançado na simulação 2. São 5 milhões a menos de pobres.
Tudo isso é para agora, se for possível ao governo governar para superar a crise em prol do emprego e da atividade econômica. A hora das políticas sociais responsáveis, no seu escopo, escala e qualidade, é essa.
Lena Lavinas é professora associada do Instituto de Economia da UFRJ. João Sicsú é diretor de Estudos Macroeconômicos do Ipea e professor do Instituto de Economia da UFRJ.
.

Preconceito contra crianças

Para britânicos, 'menores agem como animais' - esse é o título da reportagem da BBC sobre pesquisa com 2.021 adultos "como parte de uma campanha de conscientização a ser lançada pela Barnardo's para mostrar que a sociedade se acostumou a "condenar naturalmente" menores de idade e a transformá-los em vilões". Reproduzo na íntegra.
A percepção que o público britânico tem dos jovens é negativa. Mais de metade da população da Grã-Bretanha acredita que crianças e adolescentes britânicos se comportam como "animais", e metade diz que eles devem ser considerados "perigosos", segundo uma pesquisa realizada a pedido de uma instituição de caridade que trabalha com menores.
A pesquisa de opinião ouviu 2.021 adultos como parte de uma campanha de conscientização a ser lançada pela Barnardo's para mostrar que a sociedade se acostumou a "condenar naturalmente" menores de idade e a transformá-los em vilões.
A campanha, com comerciais na TV e na internet, será lançada no dia 24 de novembro. Pelos resultados, 54% dos adultos entrevistados disseram que os menores britânicos se comportam como "animais". Mais de um terço também concordou que as ruas estão "infestadas" com crianças e adolescentes, enquanto 43% dos entrevistados disseram que alguma coisa precisa ter feita para proteger os adultos. Cerca de 49% disseram discordar da afirmação de que as crianças que "se envolvem em problemas" são "mal compreendidas" e precisam ajuda profissional.
Comentários
A organização também analisou comentários deixados em reportagens publicadas no site de vários jornais britânicos. E encontrou mensagens nas quais menores são descritos como "selvagens" e algumas sugestões de que é necessário "atirar" em adolescentes. O presidente da organização, Martin Narey, disse que a população britânica rotula todos os menores da mesma maneira.
"É espantoso que palavras como animal, selvagem e gentalha sejam usadas diariamente em referência a menores", disse Narey.
"Apesar de que a maioria das crianças não causa problemas, ainda há a percepção de que os jovens de hoje são mais incontroláveis e mais delinqüentes do que nunca", completou.
'Tratamento injusto'
A organização afirma que as atitudes reveladas pelo estudo refletem o resultado da última pesquisa British Crime Survey, que mostrou que as pessoas responsabilizam menores por "até metade" de todos os crimes cometidos, quando na verdade eles são responsáveis por 12% da atividade criminosa no país. No mês passado, a ONU disse que há "um clima geral de intolerância" para com as crianças e adolescentes britânicos e que isso pode fazer com que eles sejam tratados injustamente. Narey disse que a organização não é "ingênua" e aceita que "uma minoria de menores" apresenta um comportamento anti-social e comete crimes. Ele disse que é preciso agir para evitar que aqueles que têm mais risco de apresentar um comportamento criminoso - como os que pertencem a famílias pobres e recebem uma educação ruim - sigam esse caminho.

Obama: a campanha já terminou, mas o vídeo é bom

Gabeira já está em campanha para 2010

Na primeira página de hoje da Folha da Manhã, principal jornal de Campos dos Goytacazes, RJ, reportagem sobre encontro entre Gabeira e Luiz José de Souza, coordenador do CRD - Centro de Referência da Dengue de Campos - o único existente no Brasil. No mesmo dia do encontro, ele publicou artigo na Folha de São Paulo sobre o tema, e já pensa em um CRD para a cidade do Rio de Janeiro. Obviamente, Gabeira está pegando carona nas asas do mosquito da dengue para iniciar a decolagem de sua candidatura em 2010, seja para Senador, seja para Governador. Os outros candidatos devem se preparar para a possível febre "gabeirite"...

sábado, 15 de novembro de 2008

Lula é o líder iberoamericano melhor avaliado

O Latinobarómetro, ong chilena de estudo da opinião pública na América Latina, acaba de divulgar os resultados de sua última pesquisa sobre os líderes iberoamericanos. A pesquisa, com 20.204 entrevistas, foi realizada entre os dias 1º de setembro e 11 de outubro, em 18 países latinoamericanos. Como resultado, Lula obteve a maior nota de avaliação, com média de 5,9. Segundo a diretora do Latinobarómetro, Marta Lagos, em entrevista para a BBC, esse resultado é óbvio, já era esperado. "Lula inseriu o Brasil no cenário internacional e, com isso, também deu destaque para toda a América Latina no mundo", ela afirmou. "O Brasil se transformou em uma potência mundial. Lula colocou o Brasil no cenário internacional e a América Latina foi junto e reconhece isso." Lagos interpreta ainda que os entrevistados entenderam que Lula, "sem muito barulho", superou a crise com a Bolívia e "dominou" e "controlou" a influência de Chávez na região. Leia mais no site da BBC ou consulte o site da Latinobarómetro.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Luiz Inácio Obama da Silva

O The Christian Science Monitor de hoje está puro Brasil. Na sua home page, a reportagem principal é sobre os superpoderes brasileiros na agricultura (Brazil rising: Agricultural superpower spreads its know-how) e no seu editorial o primeiro comentário é sobre "O Obama do Brazil" (The Obama of Brazil), referindo-se, claro, a Lula. "He came from the left and poverty, but da Silva rules from the center, as Obama must", orienta o jornal. Quando o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente brasileiro, Luiz Inácio da Silva, se encontrarem, pode ser que o presidente Lula é quem acabará "ensinando a Obama uma ou duas coisas", diz o editorial. Aliás, Lula ocupa bom espaço no noticiário internacional com o G-20 em São Paulo, o encontro com Berlusconi, o telefonema de Obama, o apoio ao continente africano e a Cuba, o puxão de orelha nos Estados Unidos e demais países desenvolvidos. Leia a reportagem da BBC:
Lula 'poderá dar lições a Obama', diz jornal americano
Quando o presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente brasileiro, Luiz Inácio da Silva, se encontrarem, pode ser que o presidente Lula é quem acabará "ensinando a Obama uma ou duas coisas", diz um editorial desta quarta-feira do jornal americano The Christian Science Monitor.
O editorial, intitulado "O Obama do Brasil", destaca o que considera pontos comuns entre os dois líderes, afirmando que "como Barack Obama, o presidente do Brasil veio da pobreza e da esquerda política e chegou ao poder. Mas durante seis anos no cargo, ele (Luiz Inácio Lula da Silva) governou do centro, aproveitando os pontos fortes do mercado do Brasil, conquistando o respeito mundial".
The Christian Science Monitor afirma que uma série de reportagens sobre o Brasil que o jornal publica esta semana mostra que o país passou de "gigante adormecido" para um país mais ativo "graças, em grande parte, à adoção por (Luiz Inácio Lula) da Silva de soluções práticas que agradam os investidores globais e também a maioria dos brasileiros", lembrando que "os índices de popularidade dele são muito altos".
"Em muitas áreas, tais como agricultura, política social e diplomacia, o Brasil agora serve como modelo para outros países, especialmente da África", diz o editorial, mencionando o programa bolsa-escola como exemplo de "uma política inovadora que une políticos da esquerda e da direita".
'Líder regional'
Sobre suas relações com o mundo, o jornal menciona a reunião do último fim-de-semana do G20 em São Paulo, em que Lula "repreendeu os Estados Unidos por sua responsabilidade na crise financeira global, que também está afetando o Brasil".
Mas ressaltou que "mais do que criticar, o ex-líder sindical e fundador do Partido dos Trabalhadores também advertiu os países contra recorrer ao protecionismo comercial". O jornal observa que "Obama quer reformular o Nafta (tratado de livre comércio entre EUA, México e Canadá)".
Lembrando que o ministro Assuntos Estratégicos brasileiro, Roberto Mangabeira Unger, foi professor de Obama na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o jornal afirma que "o filósofo manteve contato com Obama e pode servir como um elo no que pode ser uma poderosa parceria para o Hemisfério Ocidental".
Por enquanto, "o Brasil está tendo um bom desempenho como líder regional", de acordo com The Christian Science Monitor.
"Embora (Luiz Inácio Lula) da Silva use com freqüência o jargão esquerdista de Hugo Chávez, (presidente) da Venezuela, suas ações demonstram uma vontade de liderar a região com soluções guiadas pelo mercado e forjar uma geopolítica" que não desagrade os americanos.
Floresta amazônica
A presença militar brasileira no Haiti a serviço das Nações Unidas, sua participação em "acalmar a ameaça de guerra entre Colômbia e Venezuela" e as relações com a Bolívia também são mencionados no editorial.
The Christian Science Monitor conclui que se o presidente brasileiro "conseguir manter um nacionalismo saudável, ele vai encontrar um parceiro em Obama em questões que vão de energia a segurança".
"O ex-líder sindical e o ex-coordenador comunitário, ambos sabem como negociar um acordo em prol do bem comum".
"Como (Luiz Inácio Lula) da Silva e Obama, Estados Unidos e Brasil têm coisas demais em comum para não compartilhar a liderança regional e global", diz o editorial.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

It's a New Day

A Casa Branca vai perder a graça

As idiotices de Bush sempre foram um prato cheio para o dia-a-dia dos humoristas. O David Letterman, por exemplo, tem um quadro praticamente diário em compara discursos presidenciais históricos com as gafes bushianas. Com as chegada de Obama ao poder, os humoristas temem ficar sem material suficiente. Vejam reportagem de Michelle Nichols para a Reuters:
Governo Obama pode deixar humoristas sem assunto
A histórica eleição de Barack Obama para a Casa Branca é um mau presságio para os comediantes que tanta matéria-prima tiveram durante os oitos anos de governo de George W. Bush, segundo especialistas. Obama, que teve muito apoio na classe artística, se tornará em 20 de janeiro o primeiro negro a governar o país, num momento de crise econômica e com duas guerras em andamento. Seja por causa da simpatia que desperta entre comediantes com tendência mais à esquerda, pelo caráter histórico da sua eleição ou porque até agora tenha cometido poucas gafes, o fato é que os humoristas estão sofrendo para inventar piadas com Obama.
"A eleição de Obama é ótima para o país, mas ruim para a comédia", disse Michael Musto, colunista do Village Voice, de Nova York. "Ele é uma pessoa inteligente, prudente, tentando resgatar um país em crise, e isso não tem graça nenhuma."
"Barack Obama tem sido o pesadelo dos humoristas", disse Robert Thompson, professor de Televisão e Cultura Popular da Universidade Syracuse.
Até Obama fez piada num jantar beneficente em Nova York, no fim da campanha, onde ele e seu rival John McCain tiraram sarro de si próprios. O democrata disse na ocasião que seu maior defeito é ser "um pouco incrível demais".
BUFÕES
"A comédia prospera onde há alvos bufonescos", disse Musto. "Tradicionalmente, programas como o 'Saturday Night Live' se saíram melhor lidando com pessoas como o presidente (Gerald) Ford, que não conseguia ficar em pé o tempo todo, ou do que (Bush), que não consegue dizer 'nuclear', ou Sarah Palin, que não sabia que a África é um continente."
A audiência do tradicional humorístico "Saturday Night Live", da NBC, disparou durante a campanha eleitoral, especialmente depois que a atriz Tina Fey passou a imitar a governadora do Alasca, Sarah Palin, candidata republicana a vice-presidente. Outros programas que misturam humor e jornalismo, como o "Daily Show" de Jon Stewart e o "Colbert Report", ou então programas de entrevistas como os de David Letterman e Jay Leno, se locupletaram durante os oito anos de Bush. Letterman, por exemplo, tem um quadro chamado "Grandes Momentos dos Discursos Presidenciais".
"Como comediante, devo admitir que vou sentir saudades do presidente Bush, porque não é fácil fazer piada sobre Barack Obama. Ele não lhe dá muito para explorar", disse Leno a sua platéia depois da eleição. "Vai ver que é por isso que Deus nos deu Joe Biden (vice de Obama)."
O próprio Bush, bem antes de Obama ser candidato, já se queixava da dificuldade em fazer piadas com ele. "Senador Obama, eu queria fazer uma piada com o sr., mas é como fazer piada com o papa", disse o presidente num jantar em 2006. "Me dê algum material para trabalhar aqui. Sabe, um erro de pronúncia, alguma coisa."
MANJEDOURA
Mas Liam O'Brien, professor de Produção de Mídia da Universidade Quinnipiac, disse que nem tudo está perdido, porque "os comediantes progressistas vão continuar a se distrair com o que restou do Partido Republicano". Quando a Obama, o tempo vai se encarregar de dar a matéria-prima.
"Como disse Obama, 'não nasci numa manjedoura'. Ele está bem ciente, especialmente em questões complicadas e na forma como for assessorado, de que haverá erros", disse O'Brien.
O que já está bem claro é que provavelmente os humoristas evitarão piadas sobre a raça de Obama -- ao menos os brancos.
"O presidente é negro, então obviamente vamos brincar com toda situação que você puder imaginar a respeito de um presidente negro", disse o comediante negro Tracy Morgan, da série "30 Rock", ao New York Times.
"Já os comediantes brancos têm de lançar seus dados. Se você entrar por esse caminho (da piada racial), é bom que seja bem engraçado."

Presente para Cuba e toda a humanidade

1º de janeiro de 2009, 50 anos da Revolução Cubana. É chegada a hora dos Estados Unidos acabarem com o bloqueio absurdo ao povo cubano. E também é chegada a hora de acabar com o horror americano em Guantánamo. O mundo espera que Obama dê um passo à frente nesse sentido. Abaixo, reportagem de Jane Sutton, para a Reuters, sobre apelo de grupos por direitos humano pelo fim da carceragem americana em Guantánamo:
Cinco grupos de direitos humanos apelaram na segunda-feira a governos europeus para que aceitem prisioneiros de Guantánamo que não podem ser mandados de volta a suas casas por temor de perseguição, enquanto um sexto grupo pediu ao presidente eleito dos EUA, Barack Obama, para assinar um decreto fechando o campo de prisioneiros no dia em que tomar posse. Os esforços globais visam pressionar Obama a fechar o campo de prisioneiros de Guantánamo e interromper os tribunais especiais que julgam estrangeiros suspeitos de terrorismo fora da cortes regulares.
"Presidente eleito Obama, com um golpe da sua caneta presidencial, no primeiro dia de sua administração, você pode assegurar que nosso governo será fiel à Constituição e aos princípios sob os quais a América foi fundada", disse a União Americana de Liberdades Civis em anúncio de página inteira no New York Times.
"Nos devolva a América na qual acreditamos", pediu a entidade a Obama, que toma posse no dia 20 de janeiro de 2009.
O campo de prisioneiros na base naval norte-americana na baía de Guantánamo, em Cuba, é amplamente visto como uma mancha na questão dos direitos humanos nos Estados Unidos. Mais de 750 prisioneiros de vários países foram levados para lá desde 2002, suspeitos de ligação com a al Qaeda e grupos associados após os ataques de 11 de setembro de 2001. Cerca de 255 homens continuam presos em Guantánamo, incluindo 50 que os EUA libertaram, mas que não podem repatriar por temor de que sejam torturados ou perseguidos em seus países de origem. Em Berlim, cinco grupos de direitos internacionais fizeram um pedido conjunto para os governos europeus ajudarem a fechar Guantánamo, garantindo abrigo e proteção a esses 50 prisioneiros que são de países como China, Líbia, Rússia, Tunísia e Uzbequistão.
"Isso teria um duplo efeito: ajudaria a encerrar a provação de indivíduos presos ilegalmente em violação de seus direitos humanos e dar fim a esse escândalo internacional de direitos humanos que é Guantánamo", disse Daniel Gorevan, que comanda a campanha "Contraterror com justiça", da Anistia Internacional

Cuidado, estão querendo apagar o fogo!

Anos atrás, visitei o Museu do Dinheiro (Museu de Valores do Banco Central, em Brasília) e gostei muito. Mas o que mais impressionou foi a descrição que me fizeram do sistema antiincêndio. Tratava-se de um sistema especial com uma substância que apaga o fogo sem prejudicar as moedas raras que estão expostas. Simplesmente jogar água não daria certo, porque as "obras" seriam danificadas. O único problema, me explicaram, é que, por esse sistema, as pessoas presentes na hora do incêndio... morreriam! Eu várias vezes pensei sobre o assunto, imaginando se daria tempo de avisar e retirar as pessoas. Ontem tive resposta com esse exemplo do submarino russo que teve problemas com o sistema antiincêndio. O gás freon retira rapidamente o oxigênio impedindo a propagação do fogo, mas intoxicando as pessoas. 10% dos tripulantes morreram.

Pata Pata: morreu Miriam Makeba

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Estados Unidos: curiosidades eleitorais

A maior vitória de Barack Obama foi no Distrito de Columbia (Washington, Capital Federal, onde os afro-americanos são 60% da população e os brancos apenas 33%), com 92,9% dos votos (McCain teve 6,5%). Em seguida, veio o Havaí, estado onde Obama nasceu, com 71,8% dos votos. A maior derrota foi em Oklahoma, onde McCain teve 65,6% dos votos e venceu em todos os condados. Obama venceu em todos os condados dos estados de New Hampshire, Vermont, Massachusetts, Connecticut e Rhode Island, todos ao Norte, praticamente ao lado de New York. A vitória de Obama se deu principalmente nos condados mais populosos, perdendo na maioria dos pequenos condados (nos Estados Unidos, no total, existem 3.141 condados, mas com outras subdivisões de governo local). No estado de Nevada, por exemplo, onde teve 55,1% dos votos contra 42,7% de McCain, Obama venceu em apenas 3 dos 17 condados. Acontece que um dos 3 condados é o Clark County, onde fica Las Vegas e que representa quase 70% dos votos do estado.